Due belle canzoni

Em clima de música italiana, seguem os vídeos, letras e traduções de duas canções do Luciano Ligabue de que gosto muito. Como não encontrei uma tradução legal delas para o português na web, resolvi fazer eu mesma uma, baseada nos poucos (mas bem aproveitados) meses que fiz de curso de italiano. Não garanto a fidedignidade, então se algum falante tiver correções pra fazer, serão muito bem vindas.

Il giorno di dolore che uno ha

Il giorno di dolore che uno ha O dia de dor que se tem
Quando tutte le parole
sai che non ti servon più
Quando sudi il tuo coraggio
per non startene laggiù
Quando tiri in mezzo Dio
o il destino, o chissà che
Che nessuno se lo spiega
perché sia successo a te
Quando todas as palavras
sabes que não te servem mais
Quando trabalhas tua coragem
para não permanecer lá embaixo
Quando jogas no meio Deus
ou o destino, ou o que for
Que ninguém te explica
por que aconteceu com você
Quando tira un po’ di vento
che ci si rialza un po’
E la vita è un po’ più forte
del tuo dirle “grazie no”
Quando sembra tutto fermo
la tua ruota girerà.
Sopra il giorno di dolore che uno ha
Tu ru ru…
Quando sopra um pouco de vento
que nos ergue um pouco
E a vida é um pouco mais forte
do que você dizer a ela “não, obrigado”
Quando tudo parece parado
teu caminho mexer-se-á
Sobre o dia de dor que se tem
Tu ru ru…
Quando indietro non si torna
Quando l’hai capito che
che la vita non è giusta
come la vorresti te
Quando farsi una ragione
vorrà dire vivere
Te l’han detto tutti quanti
che per loro è facile
Quando para trás não se volta
Quando entendestes que
que a vida não é justa
como gostarias que fosse
Quando dar-se uma razão
significará viver
Tantos ter-te-ão dito
que para eles é fácil
Quando batte un po’ di sole
dove ci contavi un po’
E la vita è un po’ più forte
del tuo dirle “ancora no”
Quando la ferita brucia la tua pelle si farà.
sopra il giorno di dolore che uno ha.
Tu ru ru…
Quando bate um pouco de sol
onde nos encontrávamos um pouco
E a vida é um pouco mais forte
do que você dizer a ela “ainda não”
Quando a ferida queima, tua pele se fará
sobre o dia de dor que se tem
Tu ru ru…
Quando il cuore senza un pezzo
il suo ritmo prenderà.
Quando l’aria che fa il giro
i tuoi polmoni beccherà.
Quando questa merda intorno
sempre merda resterà.
Riconoscerai l’odore
perché questa è la realtà.
Quando o coração sem um pedaço
retomar o seu ritmo
Quando o ar que faz o movimento
teus pulmões tocará
Quando esta merda ao redor
sempre merda permanecerá
Reconhecerás o odor
porque esta é a realidade
Quando la tua sveglia suona
e tu ti chiederai “che or’è?”
Che la vita è sempre forte
molto più che facile
Quando sposti appena il piede
lì il tuo tempo crescerà.
Sopra il giorno di dolore che uno ha
Tu ru ru…
Quando teu despertador tocar
e te perguntares “que horas são?”
Que a vida é sempre forte
muito mais do que fácil
Assim que moveres teus pés
ali teu tempo crescerá
Sobre o dia de dor que se tem
Tu ru ru…

Non è tempo per noi

Non è tempo per noi Não é tempo para nós
Ci han concesso solo una vita
Soddisfatti o no qua non rimborsano mai
E calendari a chiederci se
stiamo prendendo abbastanza abbastanza
Se per ogni sbaglio avessi mille lire
che vecchiaia che passerei
Concederam-nos apenas uma vida
Satisfeitos ou não, aqui não reembolsam nunca
E os calendários a perguntar-nos se
estamos aproveitando o bastante, o bastante
Se por cada erro ganhasse mil liras
que aposentadoria teria!
Strade troppo strette e diritte
per chi vuol cambiar rotta
oppure sdraiarsi un po’
Che andare va bene pero’
a volte serve un motivo, un motivo
Certi giorni ci chiediamo e’ tutto qui?
e la risposta e’sempre si
Estradas estreitas e retas demais
para quem quer mudar de rota
ou talvez descansar um pouco
É que tudo bem caminhar, mas
às vezes é bom ter um motivo, um motivo
Alguns dias nos perguntamos “está tudo aqui?”
e a resposta é sempre sim
Non e’ tempo per noi
che non ci svegliamo mai
Abbiam sogni pero’ troppo grandi e belli sai
Belli o brutti abbiam facce
che pero’ non cambian mai
Non e’ tempo per noi
e forse non lo sara’ mai
Não é tempo para nós
que não acordamos nunca
Temos sonhos porém grandes e belos demais, você sabe
Belas ou feias temos faces
que no entanto não mudam
Não é tempo para nós
e talvez nunca será
Se un bel giorno passi di qua
lasciati amare e poi scordati svelta di me
Che quel giorno e’ gia’ buono per
amare qualchedun’altro, qualche altro
Dicono che noi ci stiamo buttando via
ma siam bravi a raccoglierci
Se num belo dia passares aqui
deixa-te amar e depois lembra-te, acordada, de mim
Que este dia já é bom para
amar qualquer um outro, qualquer outro
Dizem que estamos nos jogando fora
mas somos bons em nos reerguer
Non e’ tempo per noi
che non ci adeguiamo mai
Fuorimoda, fuoriposto,
insomma sempre fuori dai
Abbiam donne pazienti
rassegnate ai nostri guai
Non e’ tempo per noi
e forse non lo sara’ mai
Não é tempo para nós
que não nos adequamos nunca
Fora de moda, fora de lugar,
em suma, sempre fora, vai
Temos mulheres pacientes
resignadas aos nossos problemas
Não é tempo para nós
e talvez nunca será
Non e’ tempo per noi
che non vestiamo come voi
Non ridiamo, non piangiamo,
non amiamo come voi
Forse ingenui o testardi
Poco furbi casomai
Non e’ tempo per noi
e forse non lo sara’ mai
Não é tempo para nós
que não nos vestimos como vocês
Não rimos, não choramos,
não amamos como vocês
Talvez ingênuos ou teimosos
Pouco espertos talvez
Não é tempo para nós
e talvez nunca será

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *