As primeiras Magnólias

É verdade que a primeira árvore florida avistei cedo neste inverno Londrino, ali nos últimos dia de Dezembro. Fiquei surpresa com a precocidade daquela cerejeira; depois pensei que vinha sendo mesmo um inverno ameno.

Para as plantas, as estações não se marcam no calendário; acontecem no sentir. E para elas, apesar dos dias frios de céu cinzento persistente, já vivemos os primórdios da primavera.

Sim, estações do ano são parte do aspecto fenomênico da realidade, e todos os anos se repetem sem grandes novidades. Em tese não haveria nada a se comemorar ou lamentar com a sua passagem. Mas desde o ponto de vista de quem experimenta a vida fenomênica na carne, as renovações sazonais provocam mudanças sensíveis e coletivas no humor e no ritmo da vida.

A primavera traz consigo por excelência a esperança da vida que recomeça.

É a estação favorita de muitos. Pessoalmente não consigo decidir, pois vejo belezas e prazeres próprios em cada época do ano. Talvez a que mais me enfada é o verão, mas nos últimos anos a coisa tem mudado de figura. Viver em terras oceânicas temperadas faz com que se aprenda a apreciar de forma especial a presença fulgurante do sol.

Além dos dias mais longos, as pequenas flores salpicando aqui e ali e o crescendo dos pássaros nos parques já dão o tom primaveril nos ares da cidade. As cores, os sons e a luz desta linda estação operam um verdadeiro milagre, reanimando e rejuvenescendo os corações abatidos pela aridez do inverno.

É cedo no calendário dos homens, mas a natureza avisa e os corações observadores sabem: por aqui, as bênçãos antecipadas da primavera já dão o ar de sua graça.

As primeiras flores de Magnólia
As primeiras flores de Magnólia